Segunda-feira, 18 de Fevereiro de 2019 Pesquisa no site
 
A OBORÉ
  Abertura
  Histórico
  Missão
  Frentes de Trabalho
  Parceiros
  Prêmios
  Fale Conosco
  Galeria de Fotos
Núcleo de Rádio
Núcleo de Cursos
Núcleo de Gestão da Informação
Notícias
Atividades Especiais
  Cerimônia do 35º Prêmio Vladimir Herzog é marcada por homenagens e denúncias de violações aos direitos humanos
Texto e fotos: João Paulo Brito
  23/10/2013



Na mais bela cerimônia de premiação nos últimos anos do Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos, a celebração de sua 35ª edição, realizada na noite desta terça (22), no Auditório Simón Bolívar, do Memorial da América Latina, foi marcada por merecidas homenagens e denúncias de violações aos direitos humanos, principalmente contra jornalistas.

Três grandes nomes da imprensa brasileira foram agraciados com o Prêmio Especial: Perseu Abramo (in memoriam), Marco Antônio Tavares Coelho e Raimundo Rodrigues Pereira.

Raimundo, que recebeu o prêmio das mãos de André Freire, diretor do Sindicato dos Jornalistas de São Paulo, que substituiu o ministro dos esportes, Aldo Rebelo, aproveitou seu discurso para criticar a grande mídia “hegemônica” e “conservadora”, e afirmar que para se fazer bom jornalismo atualmente é preciso enfrentar a “ditadura do grande capital”.

Aos 87 anos, Marco Antônio Tavares Coelho recebeu pessoalmente o troféu de seu filho, Marco Antônio Tavares Coelho Filho. Zilah Abramo, esposa de Perseu, fez as honras em nome da família.

Com a apresentação de Juca Kfouri, da Folha de S.Paulo, UOL, CBN e ESPN, e Mônica Teixeira, da Abraji, o Prêmio também prestou homenagem a Antônio Maschio, agitador cultural, ator, chef e artista plástico, que morreu, nesta segunda (21), por pneumonia. Maschio estava com 66 anos.

Por sugestão de Juca, ao invés de se fazer 1 minuto de silêncio, a plateia, composta por cerca de 800 pessoas, aplaudiu o ator de pé, por 30 segundos.

Entrega dos prêmios

Com exceção de Marcelo Canellas e sua equipe da TV Globo, menção honrosa na categoria “TV Reportagem”, todos os jornalistas vencedores nas 9 categorias (artes, fotografia, jornal, revista, rádio, TV reportagem, TV documentário, internet e especial, cujo tema deste ano foi “Violências e agressões físicas e morais contra jornalistas e contra o direito à informação”), estiveram presentes para receber o prêmio.

Confira aqui a lista completa dos vencedores e menções honrosas e tenha acesso a todos os trabalhos premiados.

Destaque para Marilu Cabañas, repórter especial da Rádio Brasil Atual, que recebeu o troféu das mãos de uma líder indígena do povo Guarani-Kaiowá.

Premiada na categoria “Rádio”, com a reportagem “Voz Guarani-Kaiowá”, a jornalista proferiu seu discurso em língua Guarani, enquanto a índia o traduzia para o português.

Em emocionado apelo à situação vivida pelo povo Guarani-Kaiowá, a repórter finalizou: “Desejo que a presidente Dilma Roussef, parlamentares e juízes sejam firmes na defesa dos direitos indígenas consagrados na Constituição brasileira e não se curvem aos ruralistas, se isso não ocorrer este prêmio não fará o menor sentido.”

A repórter do Portal UOL Janaina Garcia ofereceu a congratulação recebida na categoria "Especial" pela matéria “Existe terror em SP: o dia em que PMs atiraram ante aplausos e pedido de não violência ”, a todos os jornalistas brasileiros agredidos pela polícia e por manifestantes.

Autor da reportagem vencedora na categoria “Revista”, “O primeiro voo do Condor”, publicada na Brasileiros, Wagner William enfatizou o papel protagonista do Brasil na Operação Condor, fato revelado em sua reportagem: “a união das ditaduras militares do conesul não ocorreu no Chile em 1975. Essa operação foi criada no Brasil, em 1970”.

Mateus Parreiras, que integrou a equipe do jornal Estado de Minas que produziu a reportagem “Jornalistas assassinados no Vale do Aço”, ganhadora na categoria “Especial”, ofereceu o prêmio a Rodrigo Neto e Wagney Assis Carvalho, jornalistas assassinados na região metropolitana de Minas Gerais por um esquadrão de extermínio formado por policiais militares e civis.

Seguindo o exemplo, Caio Cavechini e Carlos Juliano Barros dedicaram o troféu a ex-trabalhadores de frigoríficos que os ajudaram na produção do documentário “Carne Osso: o trabalho em frigoríficos”, vencedor na categoria "TV Documentário".

Por fim, Ciara Núbia de Carvalho, do portal NE10, vencedora, ao lado de Juliana de Melo Correia, na categoria "Internet", com o trabalho “Pelo menos um”, foi sorteada entre os jornalistas vencedores para uma viagem ao Museu do Apartheid, em Johanesburgo.

Prêmio Fernando Pacheco Jordão

O 5º Prêmio Jovem Jornalista Fernando Pacheco Jordão, realizado em conjunto com o Vladimir Herzog, também concedeu uma viagem ao Museu do Apartheid às estudantes Mariana de Camrgo e Marina Yoshimi, que, orientadas pelo professor José Carlos Fernandes, da Universidade Federal do Paraná (UFPR), produziram a matéria “Travestis e transexuais: luta por respeito nas salas de aula”. O mentor do grupo foi o jornalista Mauri König, repórter especial da Gazeta do Povo e diretor da Abraji.

Os demais grupos vencedores do Prêmio, apesar de não ganharem a viagem, também tiveram suas pautas patrocinadas pelo Instituto Vladimir Herzog e o apoio de um jornalista mentor na produção das matérias.

Cristiane Paião, Deborah Rezaghi e Raquel Bertani, da Faculdade Cásper Líbero, sob a orientação de Filomena Salemme, e com Dácio Nitrini como mentor, fizeram a reportagem radiofônica “Bullying velado: um retrato desconhecido de pessoas com deficiência”.

Glenda Carlos Ferreira e Nibberth Pereira da Silva, da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP), orientados por José Coelho Sobrinho, com auxilio do jornalista Milton Bellintani, foram responsáveis pelo trabalho “Como bullying contra jovens indígenas estudantes de escola “de branco” perpetua o estereótipo negativo do índio”.

E o estudante da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS) Yuri Ebenriter, sob orientação de Luiza Carravetta, produziu o documentário “Jovens quilombolas rurais e urbanos do Rio Grande do Sul: preconceito e superação”. O mentor foi a jornalista Letícia Duarte, do Zero Hora.

Confira aqui os trabalhos realizados pelos grupos vencedores do 5º Prêmio Jovem Jornalista Fernando Pacheco Jordão

Seminário e Roda de Conversa

Além da cerimônia de premiação, o Prêmio Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos promoveu nesta semana uma série de eventos da mais alta relevância para o atual cenário do jornalismo brasileiro.

Em comemoração a sua 35ª edição, a Comissão Organizadora do Prêmio realizou, no Itaú Cultural, segunda (21), o “Seminário Internacional sobre Violência contra Jornalistas”, que contou com a presença da mexicana Anabel Hernández, autora do livro “Os senhores do narco”; Taís Gasparian, advogada; Bruno Renato Teixeira,Ouvidor Nacional de Direitos Humanos da Secretaria Nacional de Direitos Humanos da Presidência da República (SNDH/PR); Jim Boumelha, Federação Internacional de Jornalistas (FIJ);  James C. Duff, do Newseum/Freedom Forum, de Washington D.C.; Ricardo Pedreira, diretor da Associação Nacional de Jornais (ANJ); Théo Rochefort , diretor da Associação Brasileira das Empresas de Radio e Televisão (ABERT); e Lourival J. Santos, diretor da Associação Nacional das Editoras de Revistas (ANER).

A coordenação ficou por conta de Sergio Adorno, Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo (NEV/USP), e Giancarlo Summa, Centro de Informação das Nações Unidas no Brasil (UnicRio).

O encontro aconteceu no mesmo dia em que a Abraji divulgou nota repudiando novos ataques a jornalistas e contabilizando a incrível marca de 96 profissionais da comunicação agredidos desde junho.

“O pior de tudo é a indiferença da sociedade e dos próprios jornalistas com a violência que nos atinge”, disse Anabel Hernández, em entrevista ao jornal Unidade, do Sindicato dos Jornalistas de São Paulo.

Na manhã de terça (22), pela segunda vez em sua história, o Prêmio promoveu uma Roda de Conversa entre seus vencedores.  A troca de experiências entre os participantes se deu na Sala dos Espelhos, no Memorial da América Latina, e contou com transmissão pela internet feita pela TV PUC.

Mediado pelos jornalistas Aldo Quiroga (PUCSP/TV Cultura), e Angelina Nunes (Abraji/Globo), o emocionado bate-papo reuniu 14 jornalistas, que, de forma apaixonada construíram uma verdadeira aula de bom jornalismo:

Participaram: José Raimundo e Caio Cavechini, da TV Globo; Bianca Vasconcellos, Gustavo Minari e parte da equipe de reportagem da TV Brasil; Matheus Leitão, da Folha de S.Paulo; Marilu Cabanãs e Anelize Moreira, repórteres da Rádio Brasil Atual; Allan Costa Pinto, repórter fotográfico da Tribuna do Paraná; Kleber Soares, ilustrador no Correio Braziliense; Wagner William, repórter da revista Brasileiros; Janaína Garcia, do Portal UOL; Ismael Xavier, do Diário do Pará; e Fausto Salvadori Filho, da revista Apartes.

Ainda estiveram presentes Nemércio Nogueira, diretor do Instituto Vladimir Herzog, Guilherme Alpendre, diretor-executivo da Abraji, estudantes de jornalismo vencedores do 5º Prêmio Fernando Pacheco Jordão e Sergio Gomes, diretor da OBORÉ e coordenador do evento.

 
 
 
   
  » Indique essa página a um amigo
 
 
 
Avenida Paulista, 2300 | Andar Pilotis | Edifício São Luis Gonzaga | 01310-300
São Paulo | SP | Brasil | 55 11 2847.4567 | (11) 99320.0068 |
obore@obore.com

Desenvolvimento

KBR Tec - Soluções Online