Domingo, 16 de Dezembro de 2018 Pesquisa no site
 
A OBORÉ
  Abertura
  Histórico
  Missão
  Frentes de Trabalho
  Parceiros
  Prêmios
  Fale Conosco
  Galeria de Fotos
Núcleo de Rádio
Núcleo de Cursos
Núcleo de Gestão da Informação
Notícias
Atividades Especiais
  Memória de Vladimir Herzog marca 40 anos do Centro Acadêmico que leva seu nome
Ruam Oliveira | OBORÉ
  08/10/2018

Para comemorar suas quatro décadas de existência, o Centro Acadêmico Vladimir Herzog (CAVH), da Faculdade Cásper Líbero, preparou uma semana inteira dedicada a relembrar a importância simbólica do jornalista, morto em 1975, vítima da ditadura civil-militar brasileira.
 
Com a presença de Clarice e Ivo Herzog, viuva e filho mais velho de Vlado, Sergio Gomes, jornalista e diretor da OBORÉ, Raquel Moreno, fundadora da primeira revista feminista do Brasil e colega de trabalho de Herzog, e de Rivaldo Novaes e Laerte Sumor, fundadores do CAVH, a mesa de abertura buscou relembrar quem foi o jornalista e o histórico de lutas da comunicação durante o período da ditadura.
 
O jornalista Pedro Ortiz, mediador da mesa, destacou que não só a memória afetiva - apresentada por Clarice e Ivo - foi apresentada, como também os desdobramentos de todos o processo de investigação relacionados à morte de Herzog.

Na ocasião, Sergio Gomes trouxe um fac símile da edição do jornal A Unidade, produzido pelo Sindicato dos Jornalistas no Estado de São Paulo, que traçava as circunstâncias da morte do jornalista. Assim como a relação de nomes, posteriormente conhecida como a lista dos 1004, com as assinaturas dos jornalistas que se posicionaram contra a falsa informação de que Vladimir Herzog havia se suicidado e não brutalmente assassinado, como de fato aconteceu.
 
A presidente do CAVH Thais Chaves também apontou que a programação serviu para traçar um paralelo entre a militância em prol da comunicação no período militar e a militância existente agora. Para ela, todos os convidados da mesa são, cada um à sua maneira, muito simbólicos e ditaram “o tom” que a organização gostaria de passar. Chaves destaca que Gomes é uma figura emblemática, “que não se deixa esquecer o que aconteceu há 40 anos” e isso é importante para manter viva a memória daquele período.
 

Confira a progrmação



 

 
 
 
   
  » Indique essa página a um amigo
 
 
 
Avenida Paulista, 2300 | Andar Pilotis | Edifício São Luis Gonzaga | 01310-300
São Paulo | SP | Brasil | 55 11 2847.4567 | (11) 99320.0068 |
obore@obore.com

Desenvolvimento

KBR Tec - Soluções Online