Quarta-feira, 18 de Outubro de 2017 Pesquisa no site
 
A OBORÉ
  Abertura
  Histórico
  Missão
  Frentes de Trabalho
  Parceiros
  Prêmios
  Fale Conosco
  Galeria de Fotos
Núcleo de Rádio
Núcleo de Cursos
Núcleo de Gestão da Informação
Notícias
Atividades Especiais
   
  ABI revive o Baile da Ilha Fiscal
  O centenário de fundação da Associação Brasileira de Imprensa quase passou em brancas nuvens. Foi ofuscado pela cobertura midiática do bicentenário da chegada da família real portuguesa.
   
  Por José Marques de Melo
 
  23/03/2009

www.marquesdemelo.pro.br

O centenário de fundação da Associação Brasileira de Imprensa quase passou em brancas nuvens. Foi ofuscado pela cobertura midiática do bicentenário da chegada da família real portuguesa. Refugiando-se no Brasil, em 1808, a corte de Dom João VI encenou situações pitorescas. Essa descoberta significou um prato cheio para saciar a fome dos repórteres investigativos.

A comemoração dos cem anos da "casa do jornalista", fundada em 1908 por Gustavo de Lacerda, transcorreu em clima de desavenças internas, apesar do relato triunfalista contido nas edições especiais do Jornal da ABI.

Se ainda não transbordou para as páginas policiais da imprensa diária, o episódio ganhou notoriedade nos espaços dedicados aos fatos sensacionais divulgados por toda a mídia, especialmente através da internet. Trata-se de capítulo nada edificante na história de uma instituição que outrora participou ativamente da vida política nacional e por isso mesmo ficou conhecida como "trincheira da liberdade".

Sua história vem sendo registrada periodicamente por alguns dos seus participantes, como Dunshee de Abranches (1938), Victor de Sá (1955), Fernando Segismundo (1962 e 2003), Edmar Morel (1985).

Sua nova página começou a ser escrita pelo jornalista Audálio Dantas, quando convocou a imprensa para anunciar publicamente sua renúncia ao cargo de vice-presidente nacional da ABI. E para denunciar seu desligamento da presidência da Seção Paulista, atitude endossada pelo Conselho de Representantes de São Paulo.

Trata-se de capítulo que expõe as chagas da "velha senhora", demonstrando que ela já não faz jus ao título de "trincheira da liberdade". Lamentavelmente, os fatos expostos permanecem ocultos, até agora, dos seus associados e da opinião pública.

Com a mesma coragem com que enfrentou a ditadura militar para denunciar a farsa do "suicídio" de Vladimir Herzog, Audálio Dantas desmascara a face autoritária do atual presidente da ABI, Maurício Azêdo. E mostra que sua administração vem sendo marcada por reiterados conflitos, mas que não transparecem na mídia institucional.

Ameaçando sua própria sobrevivência, a ABI perde a credibilidade conquistada perante a opinião pública. Demonstração emblemática foi a festa dos cem anos, organizado em estilo monárquico, semelhante ao último "baile da Ilha Fiscal". Isolando-se como nau fluminense, a ABI vai se desgarrando impavidamente da frota nacional. O perigo é naufragar, convertendo-se em "espumas flutuantes". Ondas oscilantes implacavelmente vão depositá-Ias nas largas costas brasileiras. 

* Artigo publicado na edição de março de 2009, na Revista Imprensa.

 
 

Jornalista, professor universitário, pesquisador científico e consultor acadêmico. Foi docente-fundador da Escola de Comunicação e Arte da Universidade de São Paulo (ECA-USP). Autor de diversos livros, atualmente é o titular da Cátedra Unesco de Comunicação na Universidade Metodista de São Paulo. 

 
 
  » Indique essa página a um amigo
 
 
 
Avenida Paulista, 2300 | Andar Pilotis | Edifício São Luis Gonzaga | 01310-300
São Paulo | SP | Brasil | 55 11 2847.4567 |
obore@obore.com

Desenvolvimento

KBR Tec - Soluções Online