Segunda-feira, 24 de Julho de 2017 Pesquisa no site
 
A OBORÉ
  Abertura
  Histórico
  Missão
  Frentes de Trabalho
  Parceiros
  Prêmios
  Fale Conosco
  Galeria de Fotos
Núcleo de Rádio
Núcleo de Cursos
Núcleo de Gestão da Informação
Notícias
Atividades Especiais
  Experiência de rádio italiana pode ser exemplo para o Brasil
 

Giovanna Modé 
 
Conhecer in loco a experiência da Radio Popolare de Milão, referência de rádio popular no norte da Itália, é uma forma de enriquecer o debate sobre a democratização do rádio no Brasil e trazer novas perspectivas nessa área. Foi com essa finalidade que, a convite da própria rádio Popolare e da Network Popolare, embarcaram para a Itália, na semana passada, Sergio Gomes e Ana Luisa Zaniboni Gomes, diretores da OBORÉ; Celso Horta e Osvaldo Colibri, representando o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC; o professor José Coelho Sobrinho, chefe do Departamento de Jornalismo da ECA/USP; e Giancarlo Summa, diretor do escritório paulista da Radiobrás.

Fundada em 1977 por militantes, sindicalistas de esquerda e intelectuais, a Popolare ocupa hoje o segundo lugar na audiência da Lombardia, região norte do país, e tem mais de 200 mil ouvintes cotidianos. A Popolare não funciona dentro da lei. "Mas tampouco fora dela. É que não existe uma lei clara em relação à radiodifusão na Itália", explica José Luis Del Roio, brasileiro que desde 1970 vive em Milão e integra a equipe da Popolare.

Desde o início, a emissora é marcada pelo jornalismo participativo e por dar voz a quem não costuma ter nos veículos comerciais: os trabalhadores. Nas transmissões ao vivo, por exemplo, os ouvintes são responsáveis por parte da programação, dão suas opiniões e interagem não só com a rádio, mas entre si. Seu conteúdo é marcado pela independência - não está vinculada a um partido, um sindicato ou grupos econômicos - e a programação mescla informação com programas variados, de música, cultura e sátira.

No último dia 31 de março, Sérgio Serafini, diretor da Popolare, participou do Workshop Genebra 2003 e a Democratização do Rádio no Brasil, promovido pela OBORÉ, pelo Departamento de Jornalismo da ECA/USP e pela própria Rádio Populare. Na ocasião, ele lembrou o início da trajetória da emissora: "Em 1975, na Itália, estava em vigor uma lei que entregava ao Estado Italiano o monopólio de rádio e televisão. Vencido o prazo, a lei não foi prorrogada nem substituída por outra". Nesse vazio legislativo, nasceram milhares de rádios e televisões particulares, entre elas a Rádio Popolare dois anos mais tarde. "Para se criar uma rádio ou televisão era suficiente ligar um transmissor com a primeira freqüência que não fosse já ocupada. Cada um queria ter a sua. Nasceram e morreram centenas de emissoras democráticas e de esquerda, como também nasceu e se desenvolveu o poder da televisão de Berlusconi." (Veja a história na íntegra no http://www.obore.com/cms-conteudo/91_genebra_serafini_pt.asp).

A Rádio Popolare integra também a Popolare Network, uma rede de 23 emissoras conectadas via satélite. Dentre elas, a delegação brasileira passa também pela Radio Flash, em Torino; Radio Base, em Veneza; Radio Citta del Capo, em Bologna; e pela Controradio, em Firenze. Aguarde as novidades da volta da equipe, no próximo dia 2.

 
 
 » Indique essa página a um amigo
 
 
 
Avenida Paulista, 2300 | Andar Pilotis | Edifício São Luis Gonzaga | 01310-300
São Paulo | SP | Brasil | 55 11 2847.4567 |
obore@obore.com

Desenvolvimento

KBR Tec - Soluções Online